O benchmarking é o processo que mede a performance daquilo que uma empresa vende e compara esses bens e serviços com os executados por outros negócios da área. Ou seja, benchmarking é, basicamente, um dos braços da inteligência competitiva e tem como propósito identificar áreas que podem ser melhoradas dentro da organização e também oportunidades de mercado.

Benchmarking não se resume à mera comparação entre competidores, mas à análise aprofundada do que faz com que aquilo que uma empresa vende obtenha mais sucesso no mercado do que o oferecido pela concorrência. Portanto, a disciplina busca entender como a experiência de compra e a comunicação entre marca e consumidor funcionam para avançar os objetivos da empresa.

Quer entender tudo sobre o processo? Então fique atento aos pontos levantados no texto de hoje.

Os tipos de benchmarking

O benchmarking não é um processo único, podendo ser dividido em tipos diferentes de comparações que funcionam para avançar uma organização. Por isso, separamos o benchmarking em: interno, competitivo, funcional e cooperativo, para que você possa compreender como essa disciplina funciona em contextos diferentes.

Interno

O benchmarking interno é o primeiro passo para a maioria das empresas e consiste na comparação dos produtos e modelos de negócios existentes dentro de uma mesma organização. Esse tipo de benchmarking visa a separar quais são as melhores entregas realizadas por um negócio e entender por que elas são assim, consequentemente, fornecendo informações para a melhoria dos demais processos organizacionais.

Competitivo

O benchmarking competitivo, por sua vez, visa a analisar e a comparar produtos, serviços ou processos e métodos de marcas que disputam um espaço no mercado. Seu papel é entender o que está sendo feito melhor pela concorrência e descobrir como iniciativas similares podem ser aplicadas em uma organização, a fim de obter melhores resultados.

Funcional

Já o benchmarking funcional compara produtos e serviços similares dentro de indústrias afins. Ele não se resume aos competidores diretos de uma marca e expande as funções do benchmarking para que esse possa também servir para que um negócio entenda como empresas maiores (ou menores) obtêm bons retornos ainda que não visem ao exato mesmo nicho que a sua.

Cooperativo

O benchmarking corporativo é, todavia, a versão mais genérica do benchmarking e, às vezes, referenciado por esse termo. Trata-se de medição de como negócios não relacionados executam suas práticas e da avaliação de como os processos praticados por indústrias completamente diferentes podem influenciar a execução de tarefas em um negócio específico.

As vantagens do benchmarking

Como existem tipos de benchmarking diferentes, podemos esperar resultados distintos da sua prática. Todavia, há alguns retornos comuns em se investir no benchmarking e daremos destaque a eles nos tópicos a seguir. Cada indústria ou organização pode esperar receber, pelo menos, esses benefícios na prática do benchmarking, embora, ao optar por estratégias mais focadas, como os modelos competitivo ou cooperativo, consiga vantagens adicionais.

Entenda a performance do negócio

Independentemente do tipo de benchmarking explorado, ele sempre servirá para compreender melhor a performance de um negócio. Ainda que sejam realizadas apenas comparações internas, benchmarking funciona para compreender como o desempenho de uma organização influencia em seus resultados e dá os primeiros passos para realizar o planejamento de iniciativas que melhorem a performance.

Compare seus resultados com o da competição

Na maioria dos casos, o benchmarking oferece recursos para que as empresas comparem resultados com os dos seus principais competidores. Isso as ajuda a terem uma dimensão melhor do que estão fazendo e de que tipos de práticas e produtos podem ser melhorados para chegar a resultados superiores.

Benchmarking funciona nesse sentido porque permite estabelecer métricas e KPIs que serão comparados com os de seus pares. Essas informações, ao longo do tempo, servirão para entender se o desempenho obtido pela empresa é tão bom quanto deveria.

Identifique oportunidades de melhoria

Outro ponto em que o benchmarking faz toda a diferença é na hora de identificar o que pode ser melhorado dentro de um negócio. Otimizações constantes são o melhor instrumento de que uma empresa dispõe para chegar aos resultados que espera. Todavia, sem a observação de como seus processos e produtos são concebidos e executados, detectar o que exige mudanças pode ser um problema.

O benchmarking coloca nas suas mãos os instrumentos para fazer isso e para analisar como mudanças podem trazer valor para um empreendimento.

Estabeleça uma cultura de melhoria contínua

Todos os tipos de benchmarking, todavia, têm algo em comum: eles ajudam gestores a estabelecerem uma cultura de melhoria contínua. Como trazem visibilidade para os processos e ajudam colaboradores a entenderem como suas ações impactam uma empresa, os vários modelos de benchmarking servem como um incentivo para o aprimoramento.

A forma de fazer benchmarking

Para entender como o benchmarking pode ajudar em seus negócios, é preciso conhecer melhor como ele é executado. O passo a passo abaixo indicará como o processo acontece na maioria das empresas.

Passo 1: escolha um produto

A melhor maneira de fazer o seu primeiro benchmarking é escolhendo um produto específico dentre os vários comercializados pelo negócio e elencando os indicadores de performance mais importantes para avaliação. É desse produto que queremos colher dados e em torno dele que concentraremos os esforços das etapas subsequentes.

Passo 2: colete dados

Para começar o benchmarking, será preciso coletar dados a respeito do produto em questão. Portanto, o segundo passo deve ser entender muito bem os processos internos da empresa — ou seja, como esse produto é manufaturado —, e determinar maneiras como esses processos podem ser quantificados.

Passo 3: escolha os concorrentes para a comparação

Em todos os casos, o benchmarking compara a performance de um produto com relação a outros. Quer você esteja fazendo um benchmarking interno (no qual deverá escolher outro produto da organização), quer você esteja fazendo um benchmarking externo (no qual será preciso olhar para as marcas com as quais compete), é necessário escolher bem o segundo produto-alvo do processo.

Passo 4: colete métricas sobre a concorrência

Coletar métricas sobre a concorrência não será tarefa fácil, mas é possível encontrar, na web, e determinar, por meio de testes, os dados mais importantes disponíveis sobre o produto 2 para realizar a sua comparação.

Passo 5: compare os dados

A comparação dos dados é o benchmarking em si, então, você precisará dar bastante atenção a essa etapa. Veja como aquilo que sua empresa vende se equipara ao comercializado por terceiros e adote as mesmas métricas para simplificar o processo de análise de dados.

Passo 6: determine os diferenciais

Após a comparação, será possível determinar os diferenciais entre ambos os produtos e como eles afetam os retornos de cada organização. Pontos positivos devem ser incorporados ao negócio enquanto pontos negativos precisam ser observados e mitigados.

O benchmarking é um processo que fica melhor conforme ganhamos experiência em fazê-lo. É provável que, em sua primeira tentativa, os resultados não sejam tão bons. Dê prosseguimento ao benchmarking mesmo assim e busque aprender com os erros cometidos ao longo do processo para se beneficiar ao máximo da técnica no futuro.

Gostou de aprender mais sobre benchmarking e quer ficar atento a outros conteúdos como este? Curta a nossa página no Facebook e receba as novidades do blog antes de todo mundo!